NF-e, o que vem aí para o ano de 2017

NF-e, o que vem aí para o ano de 2017

Por Álvaro Antônio da Silva Bahia*

A NF-e vem a cada ano transformando a relação fisco contribuinte e os processos B2B do Brasil. Isto se deve principalmente à cooperação fiscal das administrações tributárias brasileiras e a ousada e inovadora estratégia de gestão do ENCAT (Encontro Nacional de Coordenadores e Administradores Tributários Estaduais), que vêm sendo adotada nos processos de desenvolvimento e aperfeiçoamento dos diversos documentos fiscais eletrônicos brasileiros.

Desde o lançamento da NF-e, a partir do ano de 2006 e de outros tipos de Documentos Fiscais Eletrônicos (DF-e), a exemplo do Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e), Manifesto de Documentos Fiscais Eletrônicos (MDF-e), e Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica (NFC-e), nos concentramos em criar mais do que uma “simples” migração dos conceitos de documentos em
papel para o formato eletrônico, buscando permanentemente a implementação de inovações disruptivas para possibilitar a evolução exponencial dos processos da própria Administração Tributária e de todos os demais atores que se interrelacionam com os DF-e.

Foi assim que a partir do ano de 2010 desenvolvemos inovadores conceitos como o de Eventos da NF-e (NF-e 2G), passando pela Cloud Fiscal, lançada no ano de 2012 e mais recentemente o conceito de IoT Fiscal (Internet das Coisas Fiscal), representado por um conjunto de ações que integraram os DF-e a artefatos que possibilitam o rastreamento de veículos de cargas e suas
respectivas mercadorias, a partir de um “sistema integrador” que está baseado na Sefaz Virtual do Rio Grande do Sul, denominado de Operador Nacional dos Estados (ONE) e que faz parte da infraestrutura de outro importante projeto do ENCAT, o Sistema Brasil-Id (www.brasil-id.org.br).

Através do ONE, já realizamos mais de 6,2 milhões de Eventos de Registro de Passagens Automáticos nas NF-e, MDF-e e CT-e. Esses eventos são capturados a partir de quase uma centena de antenas leitoras de placas, que utilizam tecnologia OCR (Optical Character Recognition) e Rádio Frequência (RFID), instaladas pelas Sefaz e Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) nas principais rodovias brasileiras.

Mais do que um simples registro de passagem, estas leituras realizadas através do ONE, que opera integrado ao Sistema MDF-e, permitem que as Centrais de Operações dos Estados (COE), responsáveis pelo controle do fluxo físico das mercadorias destinadas aos seus territórios, tenham acesso a todas informações contidas nestas unidades de carga, desde informações sobre mercadorias transportadas, percurso, peso, informações sobre o CPF/CNH do motorista e até mesmo o valor e número da apólice do seguro das cargas contidas naquele veículo. Esta fantástica integração de informações, única no mundo, possibilitou a criação do conceito de “Inspeção de Veículos de Carga em Movimento”, que começa assim que o veículo de carga sai da transportadora de sua UF de carregamento, antes mesmo da entrada da mercadoria no território da UF de destino.

Todas essas conquistas só foram possíveis a partir das iniciativas de cooperação adotadas pelo ENCAT e a ANTT, que a partir do conjunto de ações do Projeto Canal Verde Brasil passaram a operar de forma integrada, visando o controle conjunto do fluxo de transporte de veículos de cargas e mercadorias nas principais rodovias brasileiras, considerando suas respectivas áreas de atuação.

Este tipo de integração entre diferentes órgãos de governo que utilizam como matéria prima informações de DF-e, permite significativos ganhos de eficiência, no caso da parceria com a ANTT, esta integração permitirá que não sejam autorizados MDF-e para veículos de transportes que não tenham seu Registro Nacional de Transporte Rodoviário de Cargas (RNTRC) devidamente atualizado e habilitado na base de dados da ANTT, o que reduzirá a prestação de serviços de transporte clandestinos, possibilitando uma concorrência mais leal para os transportadores legalizados, além do aumento exponencial da capacidade de fiscalização e controle dessa importante agência de controle do Governo Federal.

Para o ano de 2017, visando consolidar o conceito de IoT Fiscal (Internet das Coisas Fiscal) e permitir uma perfeita integração entre artefatos de rastreamento padrão Brasil-Id (Câmeras OCR, TAG RFID, Lacres Eletrônicos) e os DF-e transportados pelos diferentes modais de unidades de carga, incluímos um novo grupo de informações na NF-e (Grupo Rastreabilidade de produto – I80) para permitir a rastreabilidade de produtos sujeitos a regulações sanitárias, casos de recolhimento ou recall, defensivos agrícolas, produtos veterinários, produtos odontológicos, medicamentos, bebidas, águas envasadas, embalagens, etc., possibilitando o registro de informações de número de lote, data de fabricação/produção, que agregadas às demais informações dos DF-e permitirão o rastreamento desses produtos até o último elo da cadeia através da NFC-e (NT2016.002).

Em 2017 a equipe técnica do ENCAT também executou uma série de ações estruturantes para ampliar o alcance dos DF-e, a exemplo da implantação de novos documentos eletrônicos voltados para o controle de serviços de transporte realizados por meio de dutos, agências de viagens que executam transportes de pessoas, transporte de valores e excesso de bagagem (ver Ajuste SINIEF 10/2016), além do Bilhete Eletrônico de Passagens Rodoviárias previsto para ser utilizado a partir de janeiro de 2018 e que vem sendo discutido conjuntamente com o segmento das empresas de transporte intermunicipais e ANTT.

No entanto, de todas as ações previstas, consideramos a de maior importância a ação de integração de um conjunto de ações isoladas que já vêm sendo adotadas por algumas Secretarias de Fazenda e que posicionarão o nível de relacionamento das Sefaz com os seus contribuintes em uma nova dimensão de serviços a serem disponibilizados por estas instituições. Como já é comum em nossos artigos, estamos, ludicamente, denominando este
processo de “Google de Mercadorias Fiscal”.

A consolidação desse conceito habilitará as administrações tributárias estaduais a operarem
em ambientes de Big Data, utilizando “algoritmos matemáticos”, por isso a denominação de
“Google de Mercadorias Fiscal”, voltados para a correta identificação e classificação de cada
item de mercadoria descrito nas NF-e e NFC-e, considerando suas diferentes categorias,
marcas, preços, unidades de medida e especificidades comerciais dentro das diversas regiões e
canais de distribuição, desde a saída da indústria, passando pela distribuição atacadista e
varejista, até a chegada do produto ao consumidor final.

A maximização da eficiência desses algoritmos de classificação de produtos, que a cada dia
estão sendo aperfeiçoados por empresas da área de TI e Secretarias de Fazendas, com as dos
Estados do Ceará, Amazonas, Minas Gerais, entre outras, possibilitará às Sefaz elevados índices
de acerto na conferência eletrônica de lançamentos envolvendo a Antecipação Parcial, o
Diferencial de Alíquotas e outros regimes de apuração, diretamente da análise das
informações contidas nas NF-e, facilitando a massificação de processos de autorregularização
por parte dos contribuintes, nos casos onde forem identificados erros nos lançamentos.

A combinação dessas tecnologias aplicadas aos detalhes dos itens de produtos descritos nos
DF-e, disponibilizará a oportunidade para que as Administrações Tributárias passem a
fornecer novos serviços aos contribuintes e cidadãos, anteriormente, considerados
inimagináveis de serem disponibilizados.

O exemplo concreto e mais recente dessa transformação, foi o lançamento recente, pela Sefaz
Paraná, tanto na Apple Store como no Google Play, do aplicativo “Menor Preço”, que
possibilita ao consumidor paranaense consultar, num raio de até 20 Km de seu
posicionamento, os preços dos produtos praticados nos diversos estabelecimentos, a partir da
leitura do código de barras (GTIN) ou da digitação do nome do item. Importante registrar que
há muito tempo já existem outros aplicativos no mercado que oferecem algumas das
funcionalidades do citado aplicativo, no entanto, somente as Administrações Tributárias, como
no caso da Sefaz Paraná, têm a capacidade de disponibilizar uma base de informações de mais
de 10 milhões de itens de produtos, fornecidos por mais de 60 mil estabelecimentos varejistas,
atualizadas semanalmente, a partir da emissão diária de mais de 3,8 milhões de notas fiscais
eletrônicas, segundo dados da própria Sefaz/PR. É sobre esta capacidade de tratamento de
dados e oportunidade de prestação de novos serviços por parte das Administrações Tributárias
que estamos nos referindo.

Evidentemente este tipo de maturidade de serviço exigirá das diversas Secretarias de Fazenda
pesados investimentos, para possibilitar a implementação de poderosos appliances de data
warehouse capazes de processar gigantescos volumes diários de NF-e e NFC-e, no nível de
item de produto, já que a estrutura de classificação atual baseada na Nomenclatura Comum
do Mercosul (NCM) é muito abrangente e não possibilita a identificação objetiva do produto e
o GTIN (Global Trade Item Number), utilizado pelo varejo, embora forneça melhores condições
para este fim, continua sem possuir uma infraestrutura centralizada que agrupe o conjunto de códigos de cada uma das empresas que adote este padrão (cada empresa possui seu próprio
código GTIN, mesmo no caso de produtos iguais) e até mesmo o novíssimo CEST (Código
Especificador da Substituição Tributária) não resolve nossos problemas. Por isso, a grande
importância de nos concentrarmos no desenvolvimento de técnicas de identificação e
classificação de produtos a partir de poderosos algoritmos matemáticos, que também utilizam
estes códigos de referência já disponíveis.

Outro importante benefício direto a ser obtido no âmbito interno das Administrações
Tributárias, está na capacidade de elaboração de análises estatísticas para subsidiar as
definições de pauta de preços de produtos e margens de valores agregados (MVA) aplicados
no cálculo de produtos alcançados pela Substituição Tributária, hoje feitos através de
pesquisas de campo e que apresentam baixo índice de precisão, pois sem uma capacidade de
processamento informatizada até o nível de produto, fica impossível determinar de forma
precisa as variações de preços nos diversos canais de distribuição e diversidade territorial do
estado.

Pelo lado da redução das despesas, outra grande oportunidade será a ampliação dessa
capacidade analítica de processamento de preços para as compras públicas. Não estou me
referindo aqui a algumas experiências exitosas já adotadas pelas Sefaz, mas sim ao
mapeamento e fornecimento de preços de referência, pelas Secretarias de Fazenda Estaduais
para suas respectivas Secretarias de Administração, de “grande parte” dos itens de produtos
adquiridos pela administração pública, desde a aquisição de medicamentos até o mais simples
item de material de consumo, o que representará uma grande transparência e o fim da
aplicação de sobrepreços para as aquisições governamentais, o que significará uma economia
considerável nos custos das compras públicas dos estados.

Enfim, os desafios são muitos e os obstáculos ainda maiores, no entanto, o primeiro passo
para a realização e concretização da inovação passa pela construção de uma visão estratégica
de futuro e clara definição de um plano de ações, resiliência e acima de tudo trabalho em
equipe.

Que o ano de 2017 traga bons ventos para todos nós que atuamos na área tributária.

(*) Álvaro Bahia é Auditor Fiscal. Assessor da Superintendência de Administração Tributária da
Secretaria de Fazenda do Estado da Bahia. Coordenador Técnico do Encat, entidade
responsável pela gestão e implantação da NF-e e demais documentos fiscais eletrônicos no
Brasil. Líder Nacional do Sistema NF-e e Integrante da equipe técnica internacional do
subgrupo “Factura Electronica” do Centro Interamericano de Administrações Tributárias
(CIAT). Especialista em processos de inovação e criatividade.

Compartilhe: